Desde o início da Operação Chuva 2017 no dia 1º de abril até o último dia 30 a Defesa Civil de Salvador (Codesal) recebeu 1.123 solicitações para vistorias e realizou 1.487 inspeções. No mesmo período, o órgão cadastrou 546 pessoas através do setor social para que recebessem algum tipo de auxílio, como o emergencial – no caso de perda de móveis e eletrodomésticos – e o aluguel – no caso dos cidadãos que precisaram deixar a residência. Foram distribuídos, ainda, aproximadamente 40 mil m² de lonas, que beneficiaram pelo menos 305 famílias que moram em áreas de risco.

A maior quantidade de solicitações foi relacionada à ameaça de desabamento de imóvel, com um total de 340 chamados. Outras duas situações que mais necessitaram atenção da Codesal são ameaça de deslizamento de terra, com 305 solicitações, e ameaça de queda de árvore, que contabilizou 92 solicitações.

O local que mais choveu foi Vila Picasso, com 273,8mm registrados. Já o menor índice pluviométrico foi registrado em Alto do Coqueirinho, com 131mm. No mês de abril, a média climatológica registrada pelos pontos monitorados pela Codesal com os pluviômetros foi de 179,8mm, abaixo da média histórica do mesmo período conforme o Instituto Nacional de Meteorologia (Inmet), que é de 309,7mm. Ainda em abril, três pessoas ficaram feridas sem gravidade por causa um desabamento parcial na Fazenda Grande do Retiro.

“Intensificamos todas as ações dos órgãos do Sistema Municipal de Proteção e Defesa Civil. Nossas equipes estão reforçadas para que consigamos atender o maior número de solicitações possível e prestar todos os atendimentos necessários com maior celeridade, dando todo o suporte necessário. O número de vistorias, por exemplo, é maior que o de solicitações por conta das análises que foram feitas em campo. São casos em que o vizinho pede a vistoria e o nosso engenheiro prontamente faz a inspeção”, explica o diretor-geral da Codesal, Gustavo Ferraz.

Demais órgãos – Por meio da Secretaria de Promoção Social e Combate à Pobreza (Semps), 402 famílias receberam auxílios concedidos por evacuação temporária ou relocação, e 75 famílias receberam auxílios emergenciais. Foram distribuídos ainda kits dormitório, higiene e limpeza. Duas famílias foram encaminhadas para o acolhimento temporário, mas já conseguiram deixar o local.

No mesmo período, a Secretaria de Manutenção (Seman) realizou a poda de quase duas mil árvores e erradicou outras 43 que estavam doentes ou com risco de queda. Algumas áreas beneficiadas foram Dique do Tororó, São Caetano, Cajazeiras, Bonfim, Mata Escura, Sussuarana, além das Avenidas Luiz Viana (Paralela), Afrânio Peixoto (Suburbana), Oscar Pontes e Frederico Pontes.

A Seman utilizou ainda 2.492 toneladas de asfalto para realizar a Operação Tapa-Buraco em diversos pontos da cidade, a exemplo da Estrada Velha do Aeroporto, Rua Thomaz Gonzaga e Avenida São Cristóvão. O órgão realizou também a limpeza 24 mil metros de rede de microdrenagem entre caixas de passagens e de sarjetas.

A manutenção da rede de macrodrenagem contou com a limpeza dos canais em Sussuarana, ruas Paquetá (Periperi) e Wanderley de Pinho (Itaigara), Ilha Amarela e Suburbana. Nesses locais, foram retirados cerca de 39 toneladas entre lixo, expurgos (lama) e materiais inusitados como carcaça de veículos, pneus, colchões e camas.